Blog

Miss pacman Portal do Zacarias alejandra Video forte – Atrocidades 18 pac man

O recente vazamento nas redes sociais de um vídeo chocante chamado “Miss Pacman Portal do Zacarias Alejandra” tem gerado comoção e polêmica na internet. As imagens mostram cenas extremamente gráficas do assassinato brutal de Alejandra, uma jovem guatemalteca de 18 anos, às mãos de seu próprio marido. O crime ocorreu em 2018, mas as gravações só vieram à tona anos depois, causando indignação pelo nível de doméstica e comoção pela crueldade das imagens.Conhecido também como “Vídeo Atrocidades 18 Pac Man” em alusão ao famoso jogo, o material registrou os momentos finais de Alejandra enquanto era espancada até a morte pelo companheiro. Agora, o vídeo se espalha rapidamente pelas redes sociais, despertando reações diversas nos internautas. Enquanto muitos repudiam e pedem a remoção, outros compartilham movidos pela curiosidade mórbida. Continue acompanhando a trathantho.com para obter mais atualizações sobre esta história. 

Miss pacman Portal do Zacarias alejandra - Atrocidades 18 pac man
Miss pacman Portal do Zacarias alejandra – Atrocidades 18 pac man

Miss pacman Portal do Zacarias alejandra

O chamado “Vídeo Miss Pacman” tem causado grande comoção e polêmica nas redes sociais nos últimos dias. Trata-se de um vídeo que mostra o brutal assassinato de Zacarias Alejandra, uma mulher guatemalteca, às mãos de seu marido, Mario Tut Ical. As imagens mostram Alejandra sendo espancada até a morte pelo marido, num ato de extrema doméstica. O crime ocorreu em outubro de 2018 na região de Alta Verapaz, na Guatemala. Porém, o vídeo só veio à tona e se espalhou pelas redes sociais em 2023, ganhando o apelido de “Vídeo Miss Pacman”.

View Full on : loichuc2011.com

A comoção causada pelas imagens de tem levado muitos usuários a denunciarem o vídeo para sua remoção. Porém, a disseminação pelo WhatsApp e outras redes tem sido rápida. As origens do apelido “Miss Pacman” não estão claras, mas especula-se que seja uma referência irônica ao famoso jogo dos anos 1980. De toda forma, o conteúdo perturbador do vídeo está mobilizando ações para conter sua viralização, ao mesmo tempo em que gera curiosidade mórbida em parte dos internautas.

Embora o crime em si tenha ocorrido há mais de 5 anos, as imagens de Alejandra sendo brutalmente espancada até a morte pelo marido têm causado comoção e repúdio generalizados. Muitos usuários das redes sociais fazem alertas para que as pessoas não compartilhem o vídeo, justamente para não espalhar ainda mais o conteúdo violento. Porém, a natureza chocante das imagens acaba atraindo a curiosidade de alguns, que buscam obter o arquivo. Diante disso, é importante contextualizar os fatos por trás do polêmico “Vídeo Miss Pacman” que vem sendo amplamente disseminado.

Detalhes do crime brutal gravado – Atrocidades 18 pac man

Conforme mencionado, o vídeo mostra o assassinato de Zacarias Alejandra por seu marido, Mario Tut Ical, ocorrido em outubro de 2018 em Alta Verapaz, na Guatemala. Alejandra tinha 18 anos quando foi brutalmente espancada até a morte por Ical, como mostram as imagens que foram gravadas e agora circulam na internet. O vídeo registra em detalhes a extrema sofrida pela jovem Alejandra, indefesa, em uma cena que pode ser considerada de tortura antes do assassinato.

Não há informações precisas sobre o que motivou o ato de extrema crueldade de Tut Ical contra a própria esposa. As imagens mostram Alejandra sendo golpeada de diversas formas, sofrendo hematomas pelo corpo, cortes e outros ferimentos. Em determinado ponto, já bastante debilitada, a jovem implora ao marido que pare com as agressões, mas ele prossegue com socos, chutes e pauladas até ela perder os sentidos e morrer. O vídeo registra o ato bárbaro do assassinato por cerca de 2 minutos.

Após cometer o crime brutal, Tut Ical foi preso e respondeu a uma série de processos judiciais na Guatemala. Porém, não se tem informações precisas sobre qual foi o desfecho final do caso dentro do sistema de justiça guatemalteco e qual pena foi aplicada ao assassino confesso de Alejandra. O vídeo das agressões seguidas da morte da jovem foi parar nas redes sociais anos depois, sem que se saiba ao certo sua origem, e rapidamente se espalhou pelo WhatsApp e outras plataformas, ganhando o apelido de “Vídeo Miss Pacman”.

Portal do Zacarias miss pac-man guatemala

A disseminação do vídeo se deu inicialmente por meio do WhatsApp e outras redes sociais como o TikTok e o Twitter. Rapidamente o conteúdo ultraviolento envolvendo a morte de Alejandra foi parar também no Facebook, Instagram, Telegram e outros aplicativos de troca de mensagens e compartilhamento de vídeos. Embora muitos usuários repudiem o vídeo e peçam por sua remoção, a curiosidade mórbida faz com que alguns continuem assistindo e compartilhando as imagens com pessoas de suas listas de contatos.

Diante da ampla diseminação nas redes sociais, algumas autoridades da Guatemala e entidades de defesa dos direitos humanos emitiram alertas para que as pessoas evitem compartilhar o vídeo, a fim de não espalhar ainda mais o conteúdo de extrema. Porém, dada a viralização rápida pelo WhatsApp e outros canais, tem sido difícil controlar a propagação do arquivo. Muitos usuários seguem enviando e recebendo o “Vídeo Miss Pacman” sem saber ao certo a origem, mas movidos pela curiosidade em relação ao material considerado chocante.

Embora o crime contra Alejandra tenha ocorrido em 2018, somente agora, em 2023, é que o vídeo do assassinato veio à tona e se espalhou pelas redes. Isso pode ter ocorrido pelo vazamento ou compartilhamento intencional do arquivo por alguma pessoa que teve acesso às imagens na época ou nos processos judiciais contra Tut Ical. De toda forma, o vídeo se espalhou rapidamente pelo país e pelo mundo, mobilizando reações de repúdio entre os internautas, que pedem sua remoção, e também curiosidade mórbida por parte de outros usuários.

Orientações para denunciar o Vídeo 18 Pacman

Diante da ampla circulação nas redes sociais, é importante que os usuários denunciem o vídeo sempre que se depararem com ele, a fim de solicitar sua remoção pelas plataformas. No TikTok, ao encontrar o vídeo, basta tocar na seta no canto superior direito e selecionar a opção “Denunciar”, escolhendo então a categoria “Conteúdo chocante e gráfico”. Já no Twitter, deve-se clicar nos três pontos no canto direito do tuíte com vídeo e depois em “Denunciar”, selecionando a opção “Conteúdo gráfico”.

No Instagram e Facebook, o procedimento é similar. Ao ver o vídeo, toque nos três pontinhos localizados no canto superior direito e escolha a opção “Denunciar”. Em seguida, selecione o motivo “Conteúdo gráfico” para sinalizar às plataformas que se trata de material impróprio ou chocante. Essas redes sociais têm investido em inteligência artificial para detectar automaticamente vídeos que exibem ou outros conteúdos considerados perturbadores pelas políticas das empresas.

Porém, a denúncia por parte dos usuários ainda é muito importante para alertar os moderadores sobre posts específicos que estejam infringindo as regras das comunidades e precisam ser removidos. Portanto, ao se deparar com o vídeo do assassinato de Alejandra ou qualquer outro material gráfico semelhante, não compartilhe e denuncie imediatamente. Quanto mais denúncias, maior a chance das plataformas detectarem rapidamente esses conteúdos impróprios e evitarem sua propagação para um número ainda maior de pessoas.

Back to top button