Blog

Portal zacarias mangue 937 julgada pelo Crime

Quando o vídeo do caso “Portal zacarias mangue 937 julgada pelo Crime” surgiu no Portal Zacarias em outubro de 2023, fiquei horrorizado. As imagens mostravam os corpos de três mulheres boiando em um manguezal, executadas com tiros na cabeça. Aquele site, conhecido por publicar conteúdo extremamente violento, acabava de ultrapassar mais um limite ao divulgar um crime bárbaro para obter visualizações. Como muitos outros, me senti indignado que um portal como esse pudesse lucrar impunemente com a dor alheia. Será que não existem leis para impedir e punir quem compartilha esse tipo de violência gratuita? A repercussão do caso me fez refletir sobre o que cada um de nós pode fazer para combater e conscientizar as pessoas contra a banalização da crueldade. Continue acompanhando a trathantho.com para obter mais atualizações sobre esta história.

Portal zacarias mangue 937 julgada pelo Crime
Portal zacarias mangue 937 julgada pelo Crime

O surgimento do Portal Zacarias e seu conteúdo

O Portal Zacarias, um site pessoal criado pelo jornalista brasileiro Antônio Zacarias em 2011, ganhou destaque por publicar conteúdo extremamente gráfico, como homicídios, brigas e outros crimes violentos ocorridos no Brasil e em outras regiões do mundo.

Semelhante ao extinto site Live Leak, o Portal Zacarias começou a obter mais reconhecimento online após compartilhar vídeos clickbait em mídias sociais para promover conteúdo sangrento e gráfico. Por exemplo, no dia 2 de outubro de 2023, o youtuber @samyrzinho_ postou um vídeo explicando a história por trás do site gore e algum de seu conteúdo, acumulando mais de 275 mil visualizações e 22 mil curtidas em um mês.

O site apresenta uma variedade de maneiras de visualizar o conteúdo, como artigos e, mais especificamente, material gráfico e violento no formato de imagens e vídeos. Online, esse tipo de conteúdo costuma ser usado para postagens clickbait e memes de usuários depois que eles assistiram algumas das cenas gráficas hospedadas no site.

Detalhamento do caso “Mangue 937” divulgado no portal

Um dos piores conteúdos disponíveis no Portal Zacarias é o caso “Mangue 937”, um vídeo gore mostrando imagens da execução de três mulheres em um manguezal de Fortaleza, Brasil.

No dia 25 de outubro de 2023, o youtuber @Leepi fez upload de um vídeo falando sobre esse caso, que acumulou mais de 360 mil visualizações e 6,3 mil curtidas em um mês. As imagens mostram os corpos das três vítimas, que foram mortas com tiros na cabeça, boiando na água.

A repercussão do caso foi enorme, com muitas pessoas manifestando indignação com o nível de violência e crueldade. Autoridades policiais iniciaram investigações para tentar identificar os assassinos. O vídeo acabou sendo removido do Portal Zacarias após pressão.

Questões legais sobre crimes divulgados no Portal Zacarias

A divulgação de crimes violentos fere a legislação brasileira em diversos aspectos. A Constituição Federal protege a dignidade da pessoa humana, direito violado nesses casos.

O Código Penal Brasileiro também prevê crimes como vilipêndio a cadáver e publicação de fatos que coloquem a vítima em situação vexatória. Portanto, sites como o Portal Zacarias podem ser responsabilizados criminalmente.

Além disso, a legislação brasileira sobre direitos humanos e o Marco Civil da Internet preveem formas de punir e responsabilizar provedores de aplicações de internet que não removam conteúdo ilegal após notificação judicial.

Nos Estados Unidos, a Primeira Emenda garante ampla liberdade de expressão, dificultando a punição desse tipo de site. Já na Europa, leis mais rígidas permitem a remoção e bloqueio de conteúdo considerado ilegal ou impróprio.

De acordo com essas leis, provedores de serviços online podem ser responsabilizados se não removerem prontamente conteúdo ilegal após notificação. Isso permite uma resposta mais rápida contra crimes online nesses países.

Portanto, percebe-se que há diferenças significativas entre a legislação brasileira e a de outros países sobre esse tema. Enquanto nos EUA a liberdade de expressão se sobrepõe, na Europa há mais controle e punição de conteúdo considerado impróprio ou ilegal.

O papel do Portal Zacarias na disseminação de conteúdo violento

O Portal Zacarias teve grande alcance online, com seus posts sendo amplamente compartilhados e visualizados mesmo após a remoção do conteúdo original. Só no TikTok, vídeos sobre o site ultrapassaram 1 milhão de visualizações em pouco tempo.

Isso mostra o enorme potencial das redes sociais para espalhar rapidamente todo tipo de material, mesmo que depois seja apagado. Assim, o impacto na opinião pública costuma ser significativo e difícil de reverter.

Dessa forma, percebe-se o grande poder e, ao mesmo tempo, a responsabilidade que provedores de aplicações online possuem hoje em dia. Seus sites podem viralizar conteúdos positivos ou negativos de maneira rápida e abrangente.

Há diversas questões éticas em torno da existência de sites como o Portal Zacarias. Afinal, eles lucram com a exploração do sofrimento alheio ao obter visualizações e compartilhamentos com conteúdo sangrento e violento.

Além disso, plataformas que hospedam esse tipo de material acabam disseminando e até mesmo incentivando mais violência. Elas desumanizam vítimas e banalizam a crueldade, podendo levar alguns usuários à insensibilidade.

Portanto, é papel de toda a sociedade repudiar e combater a normalização da violência. Autoridades, empresas de tecnologia e cidadãos precisam atuar em conjunto para impedir a circulação desse tipo de conteúdo e também conscientizar as pessoas sobre seus riscos.

Back to top button